O que é rizartrose e por que é chamada de doença do mundo moderno?

Proteja suas articulações: hábitos simples podem prevenir lesões
abril 15, 2019
O que é Espondilite Anquilosante?
maio 9, 2019
Exibir tudo

O que é rizartrose e por que é chamada de doença do mundo moderno?

A rizartrose é uma artrose (osteoartrose) que atinge uma parte específica do corpo: a articulação do dedo polegar. Essa articulação, chamada de trapezometacarpiana, é formada por um pequeno osso do punho, o trapézio e a base do primeiro metacarpo. Responsável por promover uma ampla variedade de movimentos, incluindo a oponência do polegar (movimento de pinça), a articulação está propensa ao desgaste precoce e degeneração.

Em uma articulação saudável, as superfícies dos ossos são revestidas por uma camada de cartilagem que permite a movimentação sem atritos. No caso da rizartrose, a cartilagem que cobre a articulação (em formato de sela) está desgastada, expondo os ossos ao atrito sem proteção. Fonte de dor, deformidade óssea e limitação da mobilidade do polegar, a rizartrose, atualmente, é classificada como uma doença do mundo moderno. Você sabe por quê?

Rizartrose no mundo moderno

Se antes acreditava-se que a doença era consequência natural da idade, hoje entende-se que está associada ao estilo de vida moderno. Novos estudos indicam que os hábitos atuais, a vida conectada e o uso excessivo de equipamentos eletrônicos contribuem para o surgimento da rizartrose. O manuseio de celulares, tablets e teclados, artigos que exigem a movimentação intensa dos dedos, pode ser a causa do número crescente de casos da doença.

Um levantamento do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, 40% da população mundial tem ou terá artrose entre os dedos e o punho. Isso quer dizer que 4 em cada 10 pessoas no mundo inteiro tem ou irão desenvolver a doença!

Além da idade, com desgaste natural das articulações, o histórico familiar e a movimentação intensa do polegar contribuem para manifestação precoce da doença. Pense na maneira como digitamos no celular. O uso sem limites pode comprometer as estruturas articulares, resultando numa inflamação (artrite) que pode evoluir para um quadro degenerativo.

Sintomas, causas e tratamento da rizartrose

Com a degradação da cartilagem que amortece o movimento do polegar, a fricção dos ossos torna a movimentação quase impossível. Começa com uma sensação de falta de óleo nas juntas. Seguida por inchaços e “travamento” do dedo. Se nada for feito, o tempo traz a dor excruciante.

Como em qualquer processo de artrose, os sintomas podem variar com a gravidade da doença. A dor na base do polegar é uma constante. A tendência é que fique mais intensa seguindo a execução de atividades mais vigorosas ou repetitivas. Escrever, digitar, usar o mouse do computador ou abrir uma garrafa são movimentos difíceis para quem convive com rizartrose.

Em um quadro mais avançado, a dor pode persistir mesmo durante o repouso. Ela está aliada à fraqueza, limitação dos movimentos e deformidade na base do polegar. Essa deformidade compreende um alargamento visível da base do polegar, com possível exposição do osso subjacente.

Causas da rizartrose

  • Primárias: fatores degenerativos genéticos e constitucionais, frouxidão nas articulações.
  • Secundárias: consequência de fraturas na base articular e doenças reumatológicas.
  • Sobrecarga ou esforço repetitivo.

As mulheres constituem o grupo de risco para rizartrose. Os fatores primários incluem hiperlaxidez e hipermobilidade ligamentar, frequentemente diagnosticados em mulheres com idades igual ou superior a 40 anos. Mulheres na pós-menopausa ou que executam muitas tarefas manuais também estão propensas ao surgimento da doença.

Tratamento médico

O tratamento depende dos sintomas apresentados. O método mais conservador pressupõe repouso, aplicação de gelo, uso de anti-inflamatórios e redução das atividades que desencadeiam os sintomas. O uso de tala ou ortótese de imobilização também é recomendado para aliviar a dor e proporcionar suporte ao polegar.

Para quadros mais avançados ou mesmo para confirmação da patologia, é imprescindível contatar um médico especialista. Em casos mais extremos, uma intervenção cirúrgica pode ser indicada.